segunda-feira, 19 de junho de 2017

O Facebook e os Sentimentos

Essa Pesquisa foi realizada nos meses de Setembro e Outubro de 2016 com 107 pessoas de 13 a 55 anos de idade, usuários do Facebook e Whatsaap.

O pesquisador e os participantes foram orientados quanto ao caráter acadêmico da Pesquisa e todos sabem que as Respostas, embora possam ser analisadas, não podem ser generalizadas, pois são representam apenas uma amostra do público que utiliza as redes sociais.

As primeiras imagens mostram o perfil do Grupo Pesquisado (no Estado de São Paulo - capital e interior) e as Seguintes as Respostas.

Vamos à pesquisa:






Essa é uma das mais marcantes conclusões atribuídas às Redes Sociais. Observe que a maioria significativa pensa deste modo e como usuários, concordam com a afirmação.

Interessante é que os próprios usuários afirmam que essa é a Rede Social no Face - projeção de imagens que não correspondem à realidade.


Quase 63% não ficam bem quando a Rede não está disponível... sinal evidente de uma sociedade "conectada"


O Whatsaap provoca melhores sentimentos do que o seu "irmão" Facebook

Somente 23% dizem que as pessoas não se importam se ninguém dá uma "curtida" em suas postagens

41% dos usuários entrevistados "admitem" que se sentem de alguma forma atingidos em seus sentimentos quando ninguém dá uma "curtida" em suas postagens


Essa é impressionante: quase nove em cada dez pessoas acreditam que as postagens são para "mostrar" aos outros que são capazes de fazer algo...  Embora pareça óbvio, pois se trata de Redes Sociais, é mais do que uma rede de amizades, é um espaço para "mostrar" o que se faz aos outros... Ou seja, não é mesmo algo 'apenas para si mesmo'...

Aqui um sério problema... quase dois terços acreditam que os usuários tentam 'agredir' e 'atingir' outros através da Rede Social

Três de cada quatro utilizam a Rede para se "exibir"... bem, essa é a opinião dos usuários entrevistados

A imagem projetada não é real... e quase sempre é para se mostrar "melhor"... ufa... já que não é algo real, menos mal...

Os Antissociais se sentem um pouco aliviados ou preocupados?

Mostrar que você faz parte "do sistema" familiar e social é algo normal? Uma minoria acha que não deve ser assim...





O que acontece com o Facebook? Como explicar tanto ódio, banalidades e bizarrices?

Fazem dois anos que resisto em manter minha página no Facebook ativa continuamente. Sim, tenho uma página e muitos amigos, mas há muito tempo discordo frontalmente do que vejo nas poucas vezes que ativo a página. Além de banalidades ou mensagens superficiais e inócuas, há muito ódio, incentivo a radicalização, fotos de esquisitices, pessoas mutiladas, animais maltratados, provocações contínuas, moralismo vazio, partidarização, elitismo, pessoas em situações ou posturas bizarras e várias coisas que não valeria a pena mencionar... Pouquíssima coisa boa, pouca densidade intelectual, pouca diversão saudável, ou mesmo pouca coisa agradável... Logo, desativo a página e na maior parte do tempo não sou 'encontrado' por ninguém.

O que ocorre com o facebook? A que de fato ele se destina? O que o Facebook se tornou?
No ano passado fiz uma série de pesquisas sobre o facebook com a comunidade acadêmica e os resultados são impressionantes com relação aos sentimentos que a rede gera: inveja, indignação, sentimento faccioso, baixa autoestima, intriga e revolta. A pesquisa também indicou, entre outras coisas, que as propagandas têm pouquíssimo efeito prático.

Apresentarei aos que frequentam este Blog os resultados das pesquisas. Aguardem.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Motivando os Jovens do Centro de Desenvolvimento Social Padre Romão - Pedreira - São Paulo

Atendendo a um pedido da Prefeitura de São Paulo, fui palestrar no Centro de Desenvolvimento Social Padre Cícero Romão, no Bairro da Pedreira. Eles fazem um belo trabalho com a juventude nesta região da cidade. Falei para eles sobre “Automotivação na Vida Cotidiana, Acadêmica ou Profissional”, onde enfatizei a construção de saberes  interpessoais e desenvolvimento de competências de relacionamento e motivação.






Palestrando no FORLIR - Fórum de Liberdade Religiosa - Paulistana - IASD

No domingo, dia 11 de junho, fui convidado para falar sobre as Vindiciae contra Tyrannos e o Direito de Liberdade Religiosa. Foi uma ótima ocasião para apresentar brevemente os argumentos desenvolvidos pelos monarcômacos que fundamentaram o direito contratual das modernas democracias e pavimentaram o início do caminho da expressão da fé como um direito legalmente constituído. Estiveram presentes líderes da Liberdade Religiosa da ABLIRC e da IASD (estado de São Paulo). Na ocasião, foi confirmada a liderança do Dr. Samuel Gomes de Lima (presidente da ABLIRC) como Secretário Geral do FORFIR.




domingo, 4 de junho de 2017

UNASP - As Vindiciae Contra Tyrannos e o Direito de Expressão da Fé

Este ano marcam as comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante e vários eventos ligados ao tema têm sido realizados em nosso país. Aproveitando o ensejo e a temática, palestrei e lancei em 04 de maio as“Vindiciae Contra Tyrannos - O Direito de Resistir” no UNASP, campus Engenheiro Coelho. Nesta palestra o destaque foi a questão da origem do conceito de Liberdade Religiosa e a conquista deste direito no mundo ocidental.


Alunos dos Cursos de Direito e História assistiram e fizeram várias perguntas.

Professores Alessandro e Augusto Darius, meus anfitriões no UNASP-EC.


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...